FAQ

Tire suas dúvidas aqui

Meio de contraste é uma substância utilizada em exames de diagnóstico por imagem para contrastação de partes do organismo. Torna possível analisar em detalhes as regiões do organismo interessam ao médico que solicitou o exame. Os meios de contraste podem ser administrados via oral, intra-venosa, intra-arterial, uretral, retal, nas glândulas salivares ou em outras situações específicas como fistulografias, ductografias, etc.
A escolha da melhor forma de administração depende do exame solicitado e da região de interesse. Os meios de contraste são utilizados em exames radiológicos, tomografia computadorizada, ressonância magnética e mais recentemente em ultra-sons. Cada caso é analisado por médicos que decidem se há necessidade ou não de utilização dos meios de contraste.

Não existem dados consistentes que demonstrem que uma mulher submetida a mamografia tenha aumento do risco de câncer de tireoide, pois a dose de radiação para a tireoide durante uma mamografia é extremamente baixa (menor que 1% da dose recebida pela mama.
Com base nesses dados, o risco de indução de câncer de tireoide após uma mamografia é insignificante. Além disso, o protetor de tireoide pode interferir no posicionamento da mama e gerar sobreposição – fatores que podem reduzir a qualidade da imagem, interferir no diagnóstico e levar à necessidade de repetições de exames.
O Colégio Brasileiro de Radiologia, a Sociedade Brasileira de Mastologia e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia reiteram a posição de NÃO RECOMENDAR O USO DO PROTETOR DE TIREOIDE EM EXAMES DE MAMOGRAFIA.